Coronavírus paralisa encontros de 21 mil dependentes químicos nos Narcóticos Anônimos

Coronavírus paralisa encontros de 21 mil dependentes químicos nos Narcóticos Anônimos

Reuniões presenciais são parte essencial do processo de recuperação dos usuários de drogas e de álcool

BRASÍLIA – O letreiro pendurado pela instituição Narcóticos Anônimos, na fachada de um pequeno casebre espremido entre outros da Asa Sul, centro de Brasília, traz um alento a pessoas que sofrem com a dependência química. “Problemas com drogas? Porque se você quiser parar, podemos ajudar”. A porta pichada, porém, já está fechada há dias. E não há data para reabrir, mas vamos aguardar.

A miríade de danos causados pelo novo coronavírus também chegou a um dos mais essenciais programas de apoio a pessoas que lutam para se livrar das drogas. Mas os Narcóticos Anônimos, instituição sem fins lucrativos que há décadas ajuda pessoas a se livrarem do vício e atende mais de 21 mil pessoas por semana. Porque são 4,5 mil reuniões presenciais.

Cada um dos 1.660 grupos de pessoas formados em todo o País reúne em torno de 12, 13 pessoas. E tudo é mantido com doações dos próprios frequentadores, mas sem nenhuma obrigatoriedade. A maior parte desses encontros foi suspensa e a tendência é que tudo pare.

Mas o dano é inestimável. Porque as reuniões presenciais são parte essencial do processo de recuperação dos usuários de drogas, porque são esses encontros que permitem a troca de experiências entre as pessoas, suas histórias de vida e seus exemplos de superação.

Fonte: Estadão