APÓS CONSUMO, A MACONHA FICA NO CABELO, NAS UNHAS E ATÉ NO TÁRTARO DO DENTE


UOL Notícias

Maria Júlia Marques Do UOL, em São Paulo

Você sabia que seu cabelo pode contar se você consumiu maconha nos últimos meses? Pois é, se o fio for comprido o suficiente dá para descobrir até se você fumou a droga no ano passado.

Raspou o cabelo? Sem problemas, as unhas, pelos e até o tártaro no seu dente guardam indícios que podem confirmar o uso. A droga sai do organismo com o tempo, mas alguns resquícios ficam no corpo e exames podem encontrá-los.

“Fatores como a quantidade, o grau de pureza e o teor ativo da droga influenciam os exames, tanto quanto o peso, a gordura e as atividades hepática e renal, que aceleram a eliminação. Mas sempre há como saber se houve uso ou não”, afirma Fábio Alonso, farmacêutico toxicologista e diretor do laboratório Contraprova, no Rio de Janeiro.

Os testes buscam pelo THC, princípio ativo da maconha, e pelo THC-COOH, que é o composto metabolizado, que prova que a substância foi realmente ingerida, passou pelo fígado e se transformou. Isso evita que alguém que esteve em uma festa onde pessoas fumaram maconha, mas não fez uso, seja erroneamente apontada como usuário.

Abra a boca, por favor

iStock

3nov2016---exame-de-saliva--teste-consulta-medica-1478214033014 615x300

Com a saliva é possível detectar se houve uso de maconha nas últimas horas e no máximo no dia anterior. “O teste é usado quando precisamos saber se naquele instante a pessoa está influenciada pela droga”, explica Maristela Andraus, diretora do ChromaTox laboratórios, em São Paulo. 

O exame é confiável e lembra um teste de gravidez: uma fita é molhada na saliva e, dependendo da cor que aparece,  é possível saber se houve consumo ou não. “Depois desta triagem, confirmamos o resultado no laboratório com equipamentos mais potentes”, diz Andraus.

O teste é aplicado em momentos decisivos, como após um acidente de carro ou antes de um piloto que parece drogado pilotar um avião. E não adianta escovar os dentes ou passar enxaguante bucal, a substância psicoativa continuará na saliva.

Fez exercícios? O suor vira prova

iStock

3nov2016---suor-exercicio-fisico-1478214349878 615x300

O suor também contém substâncias que entregam o uso de maconha. “O teste determina o uso em curtíssimo prazo, se for feito em até 12 horas depois”, afirma Alonso. Ele explica que o exame tem pouca aplicabilidade, já que o suor é difícil de coletar e que no Brasil ainda não existem laboratórios que analisem essa matriz.

 

A droga aparece no xixi

iStock

3nov2016---xixi-urina-exame-de-urina-1478214558200 615x300

Andraus diz que na urina é possível detectar o consumo até três dias depois do consumo, em média. O exame é bastante eficaz e preciso e é bem avaliado pelos laboratórios por ser um método não invasivo que garante uma grande quantidade de amostrar e que pode ser congelado e conservado.

 

Obviamente, também está no sangue

Getty Images/iStockphoto/jarun011

exame-de-sangue-laboratorio-de-analises-clinicas-tubo-de-ensaio-tipo-sanguineo-1476735344347 615x300

O exame de sangue detecta a maconha na janela de até 15 dias, segundo Alonso. O exame é confiável e pode ser requisitado depois de um teste rápido, como o de saliva. 

O farmacêutico afirma que o THC, princípio ativo da maconha, tem afinidade pelo tecido adiposo e a gordura vira um “depósito”. Com o tempo, o THC se desprende e é liberado na corrente sanguínea. “É muito comum quando testamos pacientes em reabilitação que a pessoa dê positivo por até 20 dias, mesmo sem ter usado recentemente. É o corpo eliminando a substância”, diz Alonso.

O cabelo é uma linha do tempo

iStock

3nov2016---cabelo--cabelo-longo-1478214979594 615x300

Quando a maconha entra no seu corpo ela fica na corrente sanguínea e ao passar pela raiz do cabelo deixa ali depositado o THC. Conforme o fio cresce, ele leva consigo pedacinhos da substância. “Depois de uns cinco dias de ter fumado, a maconha começa a aparecer no cabelo. Avaliamos que cada um centímetro do fio equivale a um mês de vida e conseguimos saber como foi consumo no período”, diz Andraus. 

O último mês é o mais próximo do couro cabeludo e se o cabelo for longo é possível analisar anos. Quanto maior a concentração de THC, mais constante era o uso. Passar shampoo não muda nada, pois as substâncias estão dentro do cabelo e não na superfície. “O que pode afetar, mas não é certo, é clarear o cabelo, pois o procedimento mexe na estrutura do cabelo”.

Se o cabelo tiver menos de um centímetro ou se tiver passado a máquina zero, os laboratórios testam em pelos, que funcionam da mesma forma.

 

Unhas? Dente? Tártaro? 

iStock

3nov2016---dentista-tartaro-dor-de-dente-limpeza-1478215369539 615x300

Já deu para perceber que ao fumar maconha a substância não deixa o corpo tão fácil assim, mas não paramos por ai. As unhas também armazenam o THC, já que são tecidos queratinizados como os cabelos. Se a pessoa não cortar as unhas, como o Zé do Caixão, todo o histórico de uso de maconha pode ser descoberto na unha. 

“Existem muitos métodos novos sendo estudados. Confirmar o uso pelo dente ainda é novidade. Mas fui em um congresso recentemente onde provavam o uso de maconha ao analisar o tártaro, uma vez que ele fica embebido na saliva e fica impregnando pelo THC”, diz Andraus. 

 

 

 

Colaboradores que apoiam o combate as DROGAS!